Friday, July 15, 2011

Sunday, February 10, 2008

A morte...


O QUE É A MORTE?!


Para vós, que irão ler este post, irao pensar," o k lhe deu?esta outra vez c pancadas deprimentes, como sempre"... mas nao, meus bons amigos, voltou a acontecer uma desgraça na minha vida... Perdi a minha querida avo...uma desgraça nunca vêem só...nem uma,nem duas... vieram três...

Num espaço de 5anos...perdi o meu avo...perdi o meu pai...perdi a minha avo.... Perdi o meu avo, porque estava muito doente, e ja muito debilitado.... perdi o meu pai de acidente...perdi a minha avo, derrepente...a minha avo k gritava saude, por todos os poros da sua pele...da sua pele linda... e brankinha tal como os flocos de neve, k caem num dia de inverno...


Agora pergunto-vos... O que é a morte? Porque razao todos nós um dia na puta da vida, te-mos de morrer? porque raio, é k as pessoas boas... as k fazem realmente falta, a todos nos, vao primeiro?! alguem me csg explicar? pois... secalhar n existe explicaçao possivel, para este grande misterio da vida... k é a morte....


Segundo oa grandes especialistas: " O gosto pela vida é algo imprescindível para quem quer viver e ser feliz nessa vivência; a visão da morte, portanto, depende da visão da vida que temos; morrer não é o mesmo que experimentar a morte; além da separação entre matéria e alma, espírito e corpo, a morte é o ápice da realização do indivíduo, pois é somente nesse momento que ele se encontra por inteiro consigo mesmo.Alguns estudiosos acreditam na imortalidade da alma humana, mas ainda que seja verdadeira essa prerrogativa, não deve interferir nem deixar que a pessoa viva plenamente a sua vida; e o fato de que cientificamente ou filosoficamente apenas os fenômenos constam, também não deve trazer um gosto amargo ou desesperado a vida; morrer, assim, é deixar para outra oportunidade o que você pode realizar bem agora, é transferir a própria caminhada para um outro, é não aproveitar bem as chances que se tem. Morrer é cair no vazio da própria existência ou deixar que o medo impeça de caminhar sempre."

Sinceramente...td isto, é so tretas, e mais tretas... sem logica e sem fundamento algum....mas kem sou eu? eu n sou ninguem...

Para terminar...



«Entre todas as vicissitudes da vida, embora a experiência humana varie muito de indivíduo para indivíduo, há um acontecimento que é inevitável para todos: a Morte! Não importa qual seja a nossa posição social; se a vida que vivemos foi louvável ou não; se nossa passagem entre os homens ficou marcada por grandes feitos; se vivemos uma vida saudável ou de enfermidades; se fomos famosos e rodeados de amigos ou obscuros e solitários, chegará um momento em que estaremos sós, diante do portal da Morte, e seremos forçados a dar um salto no escuro.» Max Heindel

Monday, May 07, 2007




Diferentes mas iguais

Finalmente, estamos no bom caminho…

A política, por muito k custe a muitos homens, já é vista pelos portugueses, e pelo resto do Mundo, como um terreno em k as mulheres sabem pisar, de saltos altos ou rasos, ao ponto de terem tornado possíveis lidere até sendo menos “ visíveis “dk alguns homens… Ângela Merke, HillVry Clinton e Ségolène Royal. A 1ª já chegou ao poder, Ségolène Royal tentou, Hillary Clinton ainda ira tentar a sua sorte. Todas nós, devemos estar orgulhosas.

É isto k assusta os Homens k n integram as gerações mais novas ou k não conseguem ultrapassar a mentalidade do Mundo k os viu nascer, em k as mulheres não se atreviam a invadir os últimos redutos masculinos e a competir com eles. Alguns homens temem a força das mulheres. Já não lhes basta esse poder enorme de gerar a vida? A incapacidade de aceitar o novo papel das mulheres na vida pública e o medo da concorrência poderá explicar, a meu ver, alguma revolta e da violência doméstica conjugal k grassa por esse país fora.

É comum esses “Homens” k agridem as mulheres não quererem k elas desenvolvam as suas capacidades a nível profissional e estarem sempre a minar a auto-estima das suas companheiras. Nos antípodas desta atitude esta o NOVO PAI, k fez o percurso inverso. Ao fazê-lo, esta a considerar a mulher de igual para igual.

As mulheres já mudaram e os homens estão em vias de mudar, com o novo pai, a frente.

Haja paciência, para aguentar os embates…


Tuesday, March 06, 2007



Boa tarde meus amigos…

Quero comunicar, que no próximo dia 9 de Março (Sexta-Feira), pelas 21.30h ira realizar-se no C.C.D.B.D.A, em Brejos de Azeitão, da estreia, da peça de teatro, que se da pelo nome de " Noite de lua cheia" (comédia de dois actos) dá autoria e encenação de Isilda Paulo.

Conto com vossa presença…

Passem palavra…

Obrigada

Bjinhos

Preço para não sócios: 5€





Monday, January 29, 2007

11 de Fevereiro

Resolvi fazer um post sobre o que se a falar no nosso país neste últimos dias… Isso msm… Referendo sobre a despenalização do aborto…

Aqui vou dar os diversos pontos de vista, tanto do sim, como do não… No final irei falar sobre o k eu penso…

O nosso Presidente da República, Prof. Aníbal Cavaco Silva, apela à consciência dos portugueses e convoca referendo sobre o aborto para 11 de Fevereiro de 2007.

O referendo sobre a interrupção voluntária da gravidez vai realizar-se a 11 de Fevereiro de 2007. O anúncio foi feito hoje pelo Presidente da República, numa comunicação ao país. Todos os partidos, incluindo o PCP que votou contra a realização do referendo, consideraram "adequada" a data escolhida por Cavaco Silva.

O Presidente pediu que a campanha "decorra com a maior serenidade e elevação" e que "constitua uma oportunidade para que se realize um debate sério, informativo e esclarecedor para todos aqueles que irão ser chamados a decidir uma matéria tão sensível como esta".

Cavaco considera que que a discussão sobre o aborto continuou "na ordem do dia" mesmo após o referendo de 1998, "constituindo um tema que recorrentemente é objecto de discussão no plano político, nos meios de comunicação social e no seio da sociedade civil".

A campanha para o referendo irá decorrer entre 30 de Janeiro e 9 de Fevereiro.

Pergunta para o referendo de 11 de Fevereiro de 2007:

“Concorda com a despenalização da interrupção voluntária da gravidez, se realizada, por opção da mulher, nas primeiras dez semanas, em estabelecimento de saúde legalmente autorizado?”

Referendo sobre o aborto (11 de Fevereiro)

proxima-se a data de 11 de Fevereiro, anunciada pelo Presidente da República para a realização do referendo sobre a Interrupção Voluntária da Gravidez.

Temos em plena campanha os Movimento "Não Obrigada", e o "Cidadania e Responsabilidade pelo Sim". Cada um tentando obter o maior número de apoiantes.
Os partidos politicos, também já iniciaram as suas campanhas. PS, PCP e Bloco de Esquerda do lado do "sim", o CDS-PP oficialmente contra a despenalização e o PSD sem posição oficial sobre o assunto.

Sendo este tema tão polémico e actual será que a população esta incentivada a participar no referendo, ou a percentagem de abstenção será novamente elevada.

Como vai votar no referendo sobre a interrupção voluntária da gravidez?

Sim, sou a favor

76.60% (36)

Não, sou contra

17.02% (8)

Ainda não sei

2.13% (1)

Não vou votar (abstenho-me)

4.26% (2)



http://www.sondagenspt.net/index.php?module=vota&res=r&id=29

Movimentos a favor do SIM:


No próximo dia 11 de Fevereiro, realiza-se o referendo sobre a Despenalização da Interrupção Voluntária da Gravidez. É uma consulta da máxima importância, não apenas para as mulheres portuguesas, mas para todos os portugueses.

Requer, de cada um de nós, um respeito pelas diversas opções existentes, mas também uma intervenção activa, fundamentada, serena, lúcida, séria e inteligente.

Abortar é sempre um último recurso, contudo, em Portugal, o aborto clandestino é uma realidade que atravessa toda a sociedade portuguesa.

Segundo dados, estima-se que, no nosso país, se realizem por ano entre 20 a 40 mil abortos clandestinos e que cerca de 9 mil portuguesas se deslocaram a clínicas em Espanha entre 1996 e 2002.

Estudos recentes avançam que uma em cada 200 jovens entre os 15 e os 19 anos já abortou e é sintomático que uma em cada 50 jovens de 19 anos admite ter já concretizado um aborto.

A actual lei é injusta e desumana, penaliza a mulher, nomeadamente as mulheres trabalhadoras e das camadas de mais fracos recursos.·
São estas que, sem recursos financeiros, sofrem as consequências do aborto clandestino e inseguro, ao mesmo tempo que maridos e namorados são considerados arguidos.·

A campanha de manipulação e mistificação que está em curso, visando baralhar os dados, confundir as mentes, intoxicar a opinião pública e a chantagem psicológica utilizadas pelos adversários da despenalização da interrupção voluntária da gravidez é sintomática, porque os que apelam ao «Não» estão a defender, de facto, a perseguição, a investigação, a prisão, o julgamento, a condenação – que pode ir até três anos de prisão - de milhares de mulheres e jovens que todos os anos recorrem ao aborto clandestino.

Ao contrário do que pretendem fazer crer, não se trata de uma questão religiosa, financeira ou filosófica, que na maioria dos países europeus, como Itália, Espanha e França, foi resolvida há longos anos e nalguns deles é mesmo considerado um acto de medicina normal.

A questão central do referendo é a anulação das penas de prisão que a lei actualmente prevê para as mulheres que recorrem ao aborto clandestino e a permissão legal da sua realização, por decisão responsável da mulher, nas primeiras dez semanas, em condições de assistência e segurança médica.

Movimentos do Não:



Em defesa do Nascituro e da Vida

Os portugueses vão mais uma vez a votos para decidir sobre o destino dos nascituros e da Vida, até dez semanas de gestação. Tal acontecerá no próximo dia 11 de Fevereiro de 2007.

Os portugueses vão mais uma vez a votos para decidir sobre o destino dos nascituros e da Vida, até dez semanas de gestação. Tal acontecerá no próximo dia 11 de Fevereiro de 2007. Até aqui, aparentemente nada de mal, até porque vivemos numa Democracia. Porém não nos admiremos se um dia formos conclamados a decidir em “eleições livres” sobre um limite de idade útil… 30 anos, por exemplo, ou até menos, após o que ao cidadão é-lhe aplicada a morte assistida em hospitais devidamente apetrechados, como agora se pretende para o aborto despenalizado.

A besta nazi espreita uma oportunidade de fazer vingar a sua tese racista sobre o genoma humano, com o consequente extermínio das “raças inferiores” e dos “economicamente inúteis”. Não tenhamos dúvidas que, à pala das dificuldades sociais, tais ideias vão começar a andar na cabeça de muita gente, sobretudo daquela que não consegue ver além do seu umbigo, se já não andam. O aborto social que agora se pretende referendar é claramente um sintoma dessa tendência minimalista e desumana. Aliás foi no seguimento de uma grave crise social na Alemanha que Adolfo Hitler teve a oportunidade de se impor politicamente. Depois, foi o que se viu…

A despenalização da interrupção voluntária da gravidez até dez semanas (Tememos que um dia possa ser até ao fim da gestação…) é uma questão eminentemente moral. Uma decisão do tipo Sim ou Não enferma desde logo do carácter casuístico da pergunta, com a qual se procura decidir por um simples voto o direito à Vida.

O próprio termo “despenalização”, que envolve uma forte componente de jurisprudência, mostra a vontade sibilina dos promotores do Referendo de resolverem apenas uma parte do problema… a legal. Para tanto, nada melhor do que confiná-lo à esfera política, até porque dessa forma poderão livrar-se do julgamento da História.

Por outro lado, a discussão de um tal tema, que o Presidente da República, Dr. Cavaco Silva, pretende que seja serena e elevada, nunca será suficientemente abrangente e esclarecedora. Não esquecer a componente económica subjacente ao aborto. Muito boa gente está à espera deste mercado para eventuais negócios que o comum dos mortais nem imagina e quando tomar consciência, já é tarde porque terá a forma da lei.

Como um Referendo pode decidir a vida ou a morte de alguém que nem sequer pode participar na discussão do seu destino, como é o caso do embrião onde palpita a Vida desde a sua concepção? Parece-nos pois um absurdo decidir o futuro de um nascituro por uma eleição, por mais democrática que seja. A Democracia não pode legitimar opções de índole moral tão profundas como é a Vida ou a Morte, que transcendem o Homem.

A nossa cultura judaica-cristã condena claramente o homicídio. Tirar a vida a alguém só é tolerada em legitima defesa. Se nos manifestamos contra os horrores da Guerra, em razão da morte de inocentes, como aceitar que a vida de um ser humano em formação possa ser interrompida ao sabor dos caprichos de progenitores que foram irresponsáveis no acto da concepção? Não é só a mulher responsável pela gestação. O homem também o é e se calhar, o mais responsável na hora da decisão de um aborto. Porque o elemento masculino nunca vai à barra do tribunal por tal crime? Ora é justo que o cúmplice seja também julgado e condenado. E nesse sentido, a penalização do aborto deveria ser reforçada.

Algumas mulheres reclamam o direito abominável de dispor do seu próprio corpo em matéria de gravidez, um modismo que está a contribuir para desagregar a família, tal como a concebemos. Nada mais falacioso. Somos responsáveis pelos nossos actos e maior a nossa responsabilidade quando está em causa uma nova Vida.

Outros esgrimam o argumento que os filhos devem ser desejados e quando nascem devem ter boas condições. Ah pois… Concordamos por completo. Contudo tal deve ser a preocupação dos pais antes de conceberem os filhos e não depois… O aborto não pode ser uma forma de corrigir a falta de Planeamento Familiar, como parecem pretender alguns defensores do aborto social.

Por último, observamos que há um claro cinismo político dos que, mostrando-se tão indulgentes para com o aborto, esquecem de todo as causas sociais que o provoca. Tais paladinos, da legalização do aborto, invés de combaterem o mal pela raiz, preferem uma solução paliativa que nega no mínimo a Justiça Social que dizem defender.

Em última análise estão a reconhecer a falência da Democracia em criar iguais condições e oportunidades económicas para todos os cidadãos. A continuarem por esta via, não nos admiremos que venham a admitir uma “Solução Final” para os problemas económicos que enfrentamos. Acabar com a pobreza, poderá configurar, por exemplo, o extermínio dos pobres…


___________________________________________________________________


Seria um triste direito das mulheres


Sou mulher e, segundo alguns, parece que devia estar contente porque querem oferecer-me o aborto livre e gratuito; dizem que é para me dar mais um direito. Mas não estou contente, estou triste: entristece-me profundamente que ponham sequer esta hipótese. Não quero o direito de poder matar um filho em momento algum da sua vida. Mais, sei que mesmo que a lei um dia o declare, preto no branco, esse direito continuará sempre a ser uma mentira. Ninguém tem o direito de destruir uma vida, e ninguém pode dar esse direito.

Fomos dos primeiros a abolir a pena de morte. Que pena me faz ver este meu Portugal a regredir a esses tempos, em que se considerava que um ser humano tinha poder de vida ou de morte sobre outro! Dizem também que eu devia estar contente porque assim me querem proteger. E eu pergunto: proteger de quê? Proteger de ser mãe?! Será a maternidade uma doença assim tão terrível?

Sou mulher e vejo-me tão citada, tão implicada, tão no centro desta discussão, que decidi informar-me melhor. Talvez eu não estivesse a ver bem as coisas… Afinal, parece que querem proteger-me da cadeia. Que eu queira abortar parece que é considerado dado adquirido. Que eu o faça ilegalmente, também. Portanto, tudo se resume às consequências do acto, não às causas nem sequer ao acto em si mesmo.

Infelizmente, eu sei que há quem o faça, e acredito que, na enorme maioria dos casos, não é simplesmente para mostrar "que se manda na própria barriga". Dizem os estudos sérios, dos países onde o aborto já é livre, que não são as mulheres pobres quem mais aborta, parece que são as jovens com pouco mais de 20 anos, que investiram a vida inteira nos estudos e na carreira, e que neste mundo de competição desenfreada, onde se tornou tão difícil ser mãe, vêem os seus planos desmoronar- se e pensam que por ter aquele filho vão desperdiçar os seus esforços e estragar a vida. Sejam quais forem as razões, são sempre mulheres que enfrentam um drama de medo e solidão. Eu também não as quero na cadeia, concluí.

Mas depois fui informar-me melhor. Afinal há mais de 30 anos que não há nenhuma mulher na cadeia por ter abortado. E nos últimos 8 anos só 4 ou 5 foram julgadas (aquelas pobres 4 ou 5 que os que dizem que querem defender as mulheres puseram na televisão, desvendando o que podia e devia ter ficado anónimo). Coitadas, queriam tanto esconder aquela gravidez (e certamente ainda mais aquele triste acto)… mas os seus defensores não deixaram. Ainda por cima, todas tinham abortado depois das 10 semanas. Esta lei do referendo nada mudaria para elas.

Também soube que deputados de vários partidos e associações de defesa da Vida propuseram mudar as regras - não a lei - mas as regras do processo, para que as mulheres fossem à partida desculpadas e nem sequer fossem a Tribunal. Claro que isto não implicava oferecer a todas as mulheres, ricas ou pobres, com ou sem problemas, abortos gratuitos nos hospitais, também não impedia o julgamento dos médicos e parteiras que enriquecem à custa da vida dos filhos e da destruição interior das mães, não protegeria quem força a mulher a dar este passo, e muito menos implicaria a abertura de clínicas privadas. Apeteceu-me muito perguntar: mas afinal querem proteger quem? A mulher não é de certeza.

Ao procurar saber mais, descobri que mais de metade das mulheres que abortam nos países onde é legal, dizem que o fizeram obrigadas. Se ao menos fosse proibido podiam ter dito que não ao marido, ao namorado, ao pai, ao patrão, mas assim, sem nada a protegê-las, entraram no hospital e saíram de lá diferentes. Para sempre.

Tenho uma grande amiga que abortou quando era nova, tinha 20 anos e sentia-se incapaz de ser mãe. Pensou que assim ia esquecer rapidamente aquela gravidez tão fora de horas. "Correu tudo bem", o bebé foi desfeito por mãos muito profissionais, não teve problemas de saúde, mas as feridas de que ninguém lhe falou nunca mais sararam. Aos 40 anos era alcoólica, estava sozinha, nunca mais teve outro filho... Ela é que precisava de ter sido protegida. Fico feliz por saber que agora já há muitas associações que ajudam mulheres nestas circunstâncias. Que protegem realmente, ajudando a enfrentar a realidade dum filho que já existe e que mesmo não programado se pode aprender a amar.

Fico triste, terrivelmente triste, quando dizem que me querem dar o direito ao aborto livre e gratuito, e mais ainda quando se atrevem a dizer que é para me proteger.

Wednesday, January 17, 2007

Tatuagem...


Bem.... ja ha mt tempo k eu n escrevia no meu blog...

Resolvi pedir ajuda... ha muito tempo k kero ter outra tatuagem... mas n me csg decidir por kal...

aki vao as escolhas poxiveis... heheheh